4 passos para contar uma boa história • We Love

4 passos para contar uma boa história

4 passos para contar uma boa história

Nós, do Coletivo We Love, queremos iniciar conversas e, para isso, nada melhor que entender uns truques de como contar uma boa história. Se você não sabe por onde começar, esse guia pode ser muito útil. E, atenção! Não vamos abordar técnicas de convencimento ou algum exercício para encontrar grandes temas, este texto parte da máxima de que, independente do assunto, um relato só se torna interessante a partir da maneira como é contado. Qualquer semelhança com elementos da estrutura narrativa não é mera coincidência. Confira!

1- Quer atenção? Construa uma narrativa.

Desde sempre, a humanidade tem necessidade de contar histórias, sejam reais ou de ficção. Quer exemplos? Os homens das cavernas relatavam o cotidiano com pinturas nas paredes, os gregos deram vida à mitologia, o folclore brasileiro é repleto de lendas e personagens que explicam nossa cultura. Desse modo, o fato de ouvir histórias, além de despertar emoções, promove senso crítico e ainda desenvolve a tão desejada atenção para o que você está falando.

2- Quer identificação? Apresente personagens.

Já reparou que, em tudo o que consumimos hoje – séries, livros, filmes, clipes, novelas, até o telejornal – utiliza personagens para transmitir a informação principal? Numa reportagem policial, por exemplo, isso fica evidente: sempre há uma entrevista com o cidadão de bem – trabalhador (mocinho) – que foi assaltado por algum ladrão, que é apresentado como vilão. Os reality shows, que apesar da oferta de pura realidade, dividem (editam) seus participantes entre vilões, mocinhos, protagonistas e coadjuvantes. E a palavra da vez para isso é identificação. Uma história fica muito mais interessante se apresentarmos personagens; e eles não precisam ser necessariamente pessoas. Você pode personificar até mesmo números em um gráfico. Como numa história, além de apontar quem é quem, é importante também fazer a ambientação desses personagens antes de partir para o próximo passo.

3- Quer interesse? Desenvolva um conflito.

Desenvolver um conflito não é envolver os personagens em uma briga. Apesar disso dar certo no cinema, neste momento, tente ir além de um simples relato para buscar um vínculo emocional com quem está te ouvindo. Um exemplo é apresentar dúvidas e angústias reais que, por ventura, podem ser também as do seu público ou contar sobre os caminhos que te levaram a este ponto do relato. Lembre-se que aqui está o motivo, o tema central da sua apresentação. Como naquela história hilária que aconteceu na sua última viagem e que seus amigos vivem pedindo para você repetir, sempre há um clímax que prende o interesse de todos antes de chegar ao desfecho.

4- Quer entendimento? Dê um desfecho.

Pronto! Você construiu uma narrativa, ambientou e fez uso de personagens para promover identificação com seu público e trouxe à tona o conflito para garantir o interesse das pessoas. O último passo é fazer com que as pessoas entendam o que você quis dizer com tudo isso. Não se trata de simplesmente dar um final feliz à apresentação, mas, sim, mostrar os resultados e os rumos do que foi dado no conflito. Com isso, você promove ação, interesse e até mesmo reflexão sobre o que você acabou de mostrar.

Tente incorporar essas dicas em apresentações no trabalho, na faculdade ou quando for contar sobre sua trajetória para conquistar o recrutador de alguma seleção. E, caso queira contar qualquer outra história, compartilha com a gente! Saiba como se tornar um colaborador do We Love :)

Mayra Sá
Follow me

Mayra Sá

Jornalista, lá de Minas Gerais. Mente adulta numa alma de criança, por isso não pensa muito antes de falar e fala exatamente o que pensa. Ama fazer piada, principalmente sobre si mesma.
Mayra Sá
Follow me

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *