5 coisas que ninguém consegue concordar no nome • We Love

5 coisas que ninguém consegue concordar no nome

joutjout

Nessa semana, o Twitter deixou muita gente confusa quando pessoas ao redor do mundo inteiro debateram sobre o nome disso:

Foto: TudoGostoso

Foto: TudoGostoso

No Brasil, alguns chamam de geladinho, outros de chupe chupe, sacolé e por aí vai. Mas na gringa, ele também pode ser chamado de freezies, esquimalitos, otter pops, bolis e muitos outros apelidos, o que tornou impossível de se entrar em um consenso. Selecionamos outras coisas que ninguém consegue concordar no nome, sejam comidas, brincadeiras ou lugares. Você consegue adivinhar o que é?

1. Totó

Ou pebolim (São Paulo e Minas Gerais), pacal (Santa Catarina) e matraquilhos (Portugal). Estes são alguns dos nomes dados para o mesmo jogo de futebol de mesa, que é famoso no mundo inteiro.

foosball and nocturnal vigilantism GIF

2. Biscoito

Biscoito ou bolacha? Eis a questão. O Brasil discute muito qual seria o verdadeiro nome da comida e a polêmica foi tão grande que até a Jout Jout fez uma música pra resolver o problema. A YouTuber (mais do que amada por nós) chamou a música de “Funk do Biscoito”. Olha aí:

3. Corretivo

A tinta usada para apagar aqueles errinhos nas provas ou naquele documento importante tem um nome muito polêmico. Ele é chamado de corretivo em alguns lugares, mas outras pessoas chamam também de branquinho, errorex, liquid paper (papel líquido, em tradução livre) e até “toque mágico”. Confuso, né?

Imagem relacionada

4. Pão

Sim, até o pão conseguiu plantar a semente da discórdia. O famoso pão francês paulista recebe o nome de cacetinho no Rio Grande do Sul e na Bahia e, no Ceará, ele é chamado de pão de sal. Ficou difícil até de tomar o café da manhã depois dessa…

bread GIF

5. Abóbora

A abóbora chegou no Brasil junto com os portugueses, mas foi logo batizada de jerimum pelos indígenas. No nordeste do país, o apelido pegou e ela é chamada assim até hoje.

ashley olsen pumpkin GIF

Maria Juliasz

Maria Juliasz

Estudante de jornalismo e, atualmente, estagiária da Malagueta, é apaixonada por viagens, fotografia e pular de lugares altos (alô, bungee jump). Quer ser jornalista de guerra um dia e aguarda ansiosamente a volta do Bob Marley.
Maria Juliasz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *