Amor I – Transcendente

flores, mãos, casal | pexels

Foi de cara. Não pude deixar de notar a forma delicada com que os cabelos deslizavam lentamente entre os dedos, enquanto ela assentava o sofazinho bege. Os olhos se fechavam na mesma proporção que o sorriso despontava, simetricamente, de uma orelha à outra. Era a primeira vez que a via e só conseguia imaginar o quanto era linda.

Foi aos poucos. O destino possivelmente brincava quando colocou entre nós uma amiga em comum e provocou nesse dia o primeiro dos muitos encontros que ainda haveriam de acontecer. Quando me dei conta, cada detalhe seu já encantava intrinsecamente cada átomo meu.

Foi em um bar. O convite para cerveja era só uma desculpa pra poder me aproximar… Da blusa marrom e do batom vermelho que realçavam ainda mais a sua presença marcante. Lembro da troca de energias, do toque e dos olhos tímidos que buscavam refúgio no chão e nas paredes pouco antes do encontro entre os lábios que resultaria no melhor beijo da minha vida.

Foi curioso como o caminho nos colocou de costas e seguimos em direções opostas. Quando a gente se separou e você levou uma parte de mim embora percebi a lacuna que uma única peça pode deixar em todo um quebra cabeça. Fugir dos próprios sentimentos é ato de desespero e, por vezes, me peguei distanciando de tudo que remetia à você. Te ver ao lado de outra pessoa doeu. Mas maior ainda era a dor da saudade.

Foi coincidência ou conspiração do universo. Terminamos relacionamentos paralelos ao mesmo tempo e achei que seria certo ajudar nessa hora. Te apoiei a seguir aquilo que lhe faria feliz. Fui à farmácia e comprei rosas para curar as dores do seu coração partido. Os caminhos convergiram e quando menos esperava, nos aproximávamos mais uma vez.

Foi singular como, no recanto do meu quarto e no conforto do seu abraço, te pedi em namoro. Nada no mundo poderia ofuscar a lembrança e a forma como você tremia.

Mas foi à meia noite de mais um ano novo que você me fez pedido e eu fui a mulher mais feliz do mundo.

Foi amor…


Essa é a história de Allanys Sousa e Amanda Candido.

allanys

Amanda e Allanys

“Ainda que sejamos duas mulheres e soframos preconceito por isso, muita gente aceitou porque percebeu o quanto esse amor é verdadeiro. O que tenho com ela, todo mundo vê de longe porque eu nunca amei tanto alguém como eu a amo.”

Quer compartilhar sua história de amor? Troca uma ideia com a gente. Escreva um e-mail para welove@malagueta.co. Garantimos um abraços (virtuais), uma resposta simpática e a publicação de uma linda carta de amor.

Ghost Writer

Ghost Writer

Ainda restam 7,397,980,193 de histórias esperando para serem contadas.
Ghost Writer

Últimos posts por Ghost Writer (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *