Por que é difícil desistir de um quase amor • We Love

Por que é difícil desistir de um quase amor

Por que é difícil desistir de um quase amor

“Quase” é uma sensação perturbadora e inquietante. Nos deixa acordados desenhando cenários, reescrevendo roteiros e procurando brechas de onde poderíamos ter feito diferente. Sempre há o que mexer quando estamos contando uma história para que ela chegue ao final que queremos, mas nem sempre estamos dispostos ao desconforto da mudança no presente para que evitemos o “quase” no futuro. Essa impressão de possibilidades nos faz pensar no futuro do pretérito: o mais perigoso dos tempos verbais; aquele das hipóteses.

A gente poderia ter terminado aquela série alemã superestimada, enquanto fazíamos comentários aleatórios sobre o enredo estranho, ou esvaziado o catálogo da Netflix. A gente poderia ter tido mais discussões de onde iríamos comer: no italiano charmoso da esquina ou no requisitado belga com fila de espera. A gente poderia ter estudado uma forma homeopática de tratar sua alergia a frutos do mar. A gente poderia ter treinado juntos para meias ou maratonas completas mesmo. A gente poderia ter feito aquela viagem daquela aposta suspeita, que tenho medo até de falar em voz alta. A gente poderia ter sido muito mais nós, e menos “eu” e “eu”.

“Eu” não existe quando estamos falando de uma história. Os melhores scripts são aqueles em que um personagem vai se descobrindo no outro; encontrando uma forma de coexistir naquela relação mesmo com as diferenças. É aí que mora a beleza dessa vida: se adaptar. Mas, calma, ninguém precisa deixar de ser quem é pelo outro. É tudo uma questão de estar disposto a viver uma nova versão de si mesmo. O nome disso é amor, ou deveria ser.

É difícil desistir de uma história destas. Mas, quando você já viveu o que precisava viver, você tem as lembranças a se apegar, os casos, as anedotas, as metáforas que eram só de vocês. Vai doer e não vai ser fácil; contudo, mais difícil ainda é renunciar a um quase amor. É desacreditar que pouco daquilo era real e desapegar das possibilidades de um tempo verbal perigoso. Todos os planos se tornaram apenas isso: planos. E as memórias latejam como se você tivesse o poder de consertar algo, que pode não ter reparo.

A gente poderia…

Adler Berbert

Adler Berbert

Editor do We Love. Jornalista, curte frases de efeito, acha que sabe jogar vôlei e está viciado em tirar fotos de anúncios nos postes da cidade. No colegial, foi expulso da banda marcial por não ter ritmo, mas ainda continua acreditando que tem potencial musical.
Adler Berbert

Últimos posts por Adler Berbert (exibir todos)

Comments

  1. É triste e dói. Porém, acredito que deve ocorrer para um engrandecimento (como tudo aquilo que a gente não consegue explicar, né? Deve ser pro engrandecimento, amadurecimento, etc…). Desistir de um amor longo já é comum – a internet é povoada com pelo menos meio milhão de artigos sobre isso. Desistir de uma paixonite ilusória mais fácil ainda. Mas, desistir daquele amor em potencial é muito bizarro. É como se você assistisse um trailer muito bom e soubesse que NUNCA vai poder assistir o filme todo. Mais um dos mistérios sinistros da vida.
    E interessante observar que, quase sempre, acaba-se antes de começar justamente pelo excesso de ‘eus’ na equação, né?
    Enfim, é pro engrandecimento, então… rsrs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *