Posted on

– Que fique claro! Que fique claro: já conheço a prosperidade e a abundância. Por isso, não se apresente pequeno. Não me venha com misérias. Não dê pouco de si quando já foi, comigo, muito e grande.

– Quem é você? O que há por trás de sua espreita, moleque?! Conheço esse jogo. Não me venha com essa de que me ama! Dizer que amamos alguém na horizontal é tão mais fácil… Não se engane acreditando que me quer se não banca o jogo; se, NO FUNDO, não quer ficar comigo! Aqui cabe a pergunta comum que qualquer terapeuta de boteco faria:

– O que ou quem você quer da vida?

Se é pra ficar usando dessas roupas de menino e dessas falas de adolescente tardio para ver se me comovo, cai fora! Desencane de mim! Vá ver o sol nascer em outro lugar, porque aqui neguinho trabalha e o sol nasce todo dia. Entendeu? Ele nasce e eu me ergo com ele. Saia desse seu sofá emocional, desse combo faculdade + namorada de chapinha + Europa com o Papi, moleque! Meia porção não me alimenta. Nacos não me saciam, preciso de uma boiada inteira!

– Em meu coração, vagabundo não se cria seu FILHO DA PUTA!

Não adianta tentar me convencer com seu jeito, aparentemente, calmo, esclarecido e sem ira.

– Acorda!

Sei que homens – ou seriam meninos grandes ?! – como você, disfarçam com sabedoria suas mazelas, cobrem, nós, mulheres com parcelas gigantes de charme e falas poderosas. Mas, no fundo é tudo a mesma coisa: raiva velada revestida de cultura, tapa de pelica afiando garras de tigre. E no final das contas, quase todos acabam no divã ou nos psicotrópicos legalizados. Não é mesmo, meu querido?!

Mas,

Até que revido bem. Como diz mesmo?

– Leoa!

Vou lhe dar uma chance: pegue sua mochila e seus sneakers e vá embora. Não se iluda, nessa arena quem sabe o final do combate sou eu. Fique calmo, mas ouça o aviso:

– Não sou de arranhar filhotes, mas não levo desaforo de fedelho para casa.

– Ahn??! Tá achando que tem algum direito sobre mim? Tá crente que porque é macho eu vou lhe obedecer?!

Caso eu estivesse de fora desta nossa história, seria ridículo acreditar no que vou lhe dizer agora, em pleno 2015. Só que como estou dentro, muito dentro, brado novamente:

– Não sou sua propriedade!

Aprende uma coisa: se coloco alguém ou alguma coisa entre os dentes, é porque gosto daquilo que minha língua lambe e não porque você adora o que faço com você. Sempre gostei da carne. Você está cansado de saber que não foi o único! Não há motivos para se gabar. Para quem gosta de se sentir viva como eu gosto, o prazer principal é sempre o meu. Com o tempo aprenderá que para você, para todo mundo deveria ser assim também: o primordial, é o que vem de dentro de nós, o resto não importa. O gozo que me acende vem de dentro! Você tem muito pouco a ver com isso. Quem escolhe o quê ou quem escorre em minha garganta sou eu, Filhote.

Nêmesis

Deusa alada e implacável que pune tudo e todos que colocam em perigo o equilíbrio universal. Ela já se apaixonou algumas vezes por mortais e tem um incrível talento para escrever. Ela é filha de Nyx, deusa da noite. Nêmesis é um pseudônimo, claro.

Últimos posts por Nêmesis (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *