Hoje me peguei pensando em você • We Love

Hoje me peguei pensando em você

Te sinto

Hoje, depois de uma semana cansativa, me peguei pensando em você… Você tem esse efeito em mim: me acalma.

Depois de tanta correria no trabalho e na minha vida em si (não é nenhum pouco fácil ser eu – nem eu mesmo me aguento), peguei o celular e procurei a banda que você me recomendou há um mês enquanto conversarmos sobre os shows que já fomos.

Não lembrava de você ter me sugerido nenhuma música em especial. Dei play na primeira que apareceu e quem apareceu foi você aqui ao meu lado.

Dividi meu cigarro com você e pedi para abrir a janela do quarto para a fumaça sair. O céu estava nublado e dava para sentir o cheiro de terra molhada da recém-chuva. A música continuou rolando, você pegou minha mão e eu te dei meu coração.

E no meu imaginário ficamos juntinhos, curtindo a banda que passou a dividir meu coração com você. Nossas mãos unidas era o suficiente para eu me satisfazer. Demos mais uma tragada no cigarro e olhamos um para o outro. Parecia que eu tinha um pedaço de você dentro de mim.

Você sussurrou em meu ouvido e eu me desfiz. Apaguei o cigarro no cinzeiro ao lado da cama e limpei o suor que escorria entre meus seios. Então a minha vibração misturou-se com o celular e quando, enfim, atendi me extasiei: era você dizendo que estava pensando em mim.

“Venha aqui”, respondi.

Você chegou e eu te recebi de alma aberta. Acendemos outro cigarro e você colocou o celular para tocar a banda que tanto me falara. Fingi que ainda não tinha ouvido e, na verdade, não tinha. Com você ao meu lado tudo era novo. Dançamos no tapete felpudo da sala e quando nos demos conta estávamos despidos da vergonha e dos tecidos.

Você deslizou sua mão pelo meu corpo e eu sussurrei:

Sou tua.
E fui.

Natalia Moreno

Natalia Moreno

Natalia Moreno é apaixonada por literatura, animais, músicas... Formada em Letras, pós graduada em Literatura Inglesa é autora dos romances Quando eu me amar e Marcas da Vida. Tem o defeito de querer colocar tudo em ordem, desde um quadro torto até o mundo e se desespera por este último estar fora do seu alcance.
Natalia Moreno

Últimos posts por Natalia Moreno (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *