Não é o tempo quem dita a qualidade, mas a intensidade • We Love

Não é o tempo quem dita a qualidade, mas a intensidade

Casal andando de bicicleta

Tem certas coisas que acontecem no caminho da gente que deveriam receber o prêmio de melhor acontecimento do ano e quebrar a cara é uma delas. Quando você leva um tabefe bem dado pela vida e passa a oferecer a outra face justamente porque começa a enxergar que vale a pena, tudo passa a fazer sentido. É a tal da quebra de conceitos e paradigmas engessados por infinitos moldes que não precisa vir – não necessariamente – com uma desilusão amorosa a tiracolo.

Para mim, o tempo era o maior termômetro para saber se algo deu certo ou não. Contava na folhinha os meses que embalavam um ou outro relacionamento, crendo e abafando que, a cada trinta dias, mais um degrau era alcançado nessa escalada social que, em sua grande maioria, termina com um belo e sonoro “eu aceito” – se bem que, apesar de já ter vivido esta experiência, casamento nunca foi o meu maior fetiche – mas, enfim, é uma coisa louca porque o que mais importava era o status na rede social intacto ganhando bodas de “sei lá o que” por conta dos meses contabilizados no calendário.

Mas foi gratificante ter experimentado isto para perceber que podemos passar anos ao lado de uma mesma pessoa amargando um relacionamento fadado ao fracasso, mastigando aquele chiclete velho e sem gosto ao dar cabimento a uma situação que já está muito mais errada, do que àquela que durou apenas uma noite e que deixou o gosto da saudade e do vazio porque não voltará mais a acontecer.

Não que eu seja uma perita neste assunto, mas, pelas poucas oportunidades que tive até então, hoje consigo entender que o tempo é relativo demais. Começo a perceber que não é porque aquele seu lance com o crush durou apenas duas horinhas no estilo one night stand, que não deu certo e, do mesmo modo, não é porque aquele namoro/casamento custou anos para terminar que funcionou. Sem receio de ser clichê, minha gente, mas não é a quantidade de tempo que passa ao lado de alguém que ditará isso, mas sim a qualidade deste momento. Apesar de ser algo simples e piegas, eu demorei demais para conseguir enxergar as coisas desta forma, mas é o que o povo diz: antes tarde do que nunca.

Não posso dizer que um relacionamento de anos deu certo só porque rolou o “sim” no começo do fim. Sou capaz de sentir mais saudades dos momentos breves que tive do que dos que custaram a acontecer mesmo quando aconteceram. Breve ou longa, qualquer experiência será válida quando verdadeira e recíproca. Claro que a gente sempre quer viver o que é bom por mais tempo, mas nem sempre as coisas desenrolam como desejamos. Se foi intenso e me fez sentir viva, como dizer que não deu certo por não ter durado? Já deu certo por ter acontecido desta forma e, no final das contas, é isto o que importa.

Regina Setton

Regina Setton

Hipster ou Old school style; é o que dizem e, por mim, tanto faz! Sou escorpiana com lua em Aquário, logo pode me considerar alguém com personalidade forte e vontade de inovar. Ainda teimo em ser romântica em um mundo volátil, mas sonhar também está entre os meus verbos preferidos.
Regina Setton

Últimos posts por Regina Setton (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *