Nevermind: um disco espetacular e ponto final • We Love

Nevermind: um disco espetacular e ponto final

NEVERMIND: UM DISCO ESPETACULAR E PONTO FINAL

Espetacular! Foi o que eu disse quando ouvi esse disco em meados de 1992, aos 10 anos de idade. Ouvi na casa de um amigo e aquele som me fascinou tanto que eu não deixava de escutar um só dia. Não fazia ideia do que estava sendo dito, mas sabia exatamente como aquele som sujo do intitulado universo grunje me fazia sentir. Hoje, mais de 20 anos depois do seu lançamento, sinto a mesma coisa que sentia aos 10 anos de idade: o Nevermind é um disco espetacular.

Lançado em 24 de setembro de 1991, Nevermind é a obra prima do Nirvana, um trio de moleques cabeludos que vinham fazendo um som na Seattle dos anos 90. Kurt Cobain, Krist Novoselic e Dave Grohl formaram uma banda que dominou o universo do rock na década e fizeram muita bagunça por onde passaram. O Nirvana era uma máquina de vender discos, fazer dinheiro e muita confusão.

Nervermind chegava com a energia do punk dos Sex Pistols e a melodia das canções dos Pixies, coroando de vez a geração que ficou conhecida como Grunge. Com músicas como “Smells Like Teen Spirit”, “Breed” e “In bloom”, esse disco tornou-se um dos grandes discos da minha geração.

Na época do lançamento do Nevermind, foram disponibilizadas pouco mais de 80 mil cópias para serem distribuídas nos Estados Unidos e na Europa. Porém, o estouro de “Smells Like Teen Spirit” e sua melodia raivosa foi tanto, que tiveram que disponibilizar urgentemente mais discos para conter a euforia de uma juventude que tinha descoberto o elixir da juventude rock and roll.

Em 11 de janeiro de 1992, o disco conseguiu a façanha de retirar o rei do pop, Michael Jackson, do topo da Billboard e ser o disco mais vendido daquele tempo. Mais de duas décadas depois, Nevermind já vendeu mais de 30 milhões de cópias, e eu sou orgulhoso por ter o meu exemplar.

O grande mérito do Nevermind foi ser distribuído por uma grande gravadora e conseguir soar raivoso, inconsequente e anarquista. Porém, nada disso proibiu o Nirvana de ser engolido por essa tenebrosa indústria musical. Fato que fez o vocalista, guitarrista, compositor e líder do grupo, Kurt Cobain, se suicidar em 1994. Acabando com o Nirvana e sua raivosa e barulhenta explosão de rock, rebeldia e atitude.

Robson Santos

Robson Santos

Publicitário, poeta de boteco, odeia sushi, ama filmes de máfia, tem TOC's, vive por música e não sabe a razão de escrever em terceira pessoa. Descarrega suas emoções no letraslorotaseleriados.tumblr.com
Robson Santos

Últimos posts por Robson Santos (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *