Posted on

A ideia desse texto veio quando resolvi passar um final de semana sem acessar o Facebook. Apesar de/principalmente por trabalhar com mídias sociais, precisava de alguns dias – ou algum tempo – longe de toda aquela informação e queria aproveitar a queda nas temperaturas para ir ao interior.

De primeira, pareceu fácil. E foi. Mas, mesmo longe do Facebook, as informações que ele e as outras mídias trazem, parecem não sair tão fácil da nossa  (ou da minha) cabeça. Tomando sorvete caseiro em uma fazenda no meio do nada sem nem sinal de 3G, me lembrei do pôster do filme Comer, Rezar, Amar, com a Julia Roberts. Veio então a inevitável pergunta: “mozão, tira uma foto minha tomando sorvete?”.

julia roberts sorvete comer rezar amar

Mais tarde, com o pôr do sol em uma mistura de rosa e laranja, imaginei uma foto que mostrasse todo o look do dia (!!!!) e o céu ao fundo com a maria-fumaça da cidade ao lado. A luz está ótima, pensei.  Em seguida, a questão foi: toda essa produção para quem, por quem? Para quê?

O problema não está no Facebook. O problema talvez esteja na quantidade de informações que recebemos, sem perceber, o tempo todo. São blogueiras que viajam o mundo todo em 7 dias com um fotógrafo a tiracolo. Para conseguir uma selfie perfeita no Instagram, Kim Kardashian tem uma assistente para segurar um flash externo e tira mais de 50 fotos. No Pinterest, são projetos Do It Yourself que, caso tentasse, o máximo que alcançaria seria colar os próprios dedos com cola quente.

No Snapchat, o dia a dia frenético de celebridades famosas por nada assusta. São fãs que vão até aeroportos e procuram rastros em vídeos de 10 segundos a fim de descobrir pistas sobre onde seus ídolos (oi?) estão. Ao encontrá-los, gritinhos histéricos. Esses ídolos, na maioria das vezes, são pessoas que sequer apareceram na televisão (não que isso seja importante) ou que mal tem o que dizer.

Enquanto isso, os mortais (oi), que trabalham 11 meses por um mês de férias, almejam fotos perfeitas com nossos smartphones – que nem sempre são iPhones, que nem sempre tem uma boa resolução ou um bom assistente.

paris louvre midias sociais facebook
Eu representando euzinha, o fotógrafo representando a vida

Decidi, então, pesquisar o número de informações a qual somos submetidos diariamente. A missão falhou. O Google me trouxe milhares de dados – desde os motivos cósmicos para vermos horas duplas, como 11:11 ou 20:20, até matérias da Superinteressante sobre neuro propaganda e porque sentimos que o tempo está cada vez mais curto. Comecei a ler a última (Tempo: cada vez mais acelerado) e terminei com o nome de – mais um livro – para ler mais tarde (estamos com uma lista de 42 e, ainda sim, sinto como se não tivesse nada para ler).

Até que ponto o número de informações que recebemos – formal ou informalmente – atrapalham e ajudam em nossas vidas? Até que ponto o board “decoração”, no Pinterest, traz inspirações para o dia a dia e quando ele começa a causar uma ansiedade – ou histeria coletiva – em jogar tudo o que temos fora e começar do zero – desprezando tudo aquilo que já temos/conseguimos? Talvez, o mesmo valha para outras editorias, como saúde, política, cultura, comportamento… Em plena “crise”, as notícias sobre H1N1 causaram horas de filas nas clínicas que diziam ter a vacina atualizada (por uma média de R$ 150, vale dizer).

Dizem, nos Estados Unidos, apenas 6 corporações lideram a informação da mídia tradicional. No Brasil, duvido que chegue a tanto. Penso no nome de três ou quatro famílias (ou grupos, por assim dizer) que “controlem” a informação. Quais são seus interesses? O que escondem por trás das notícias? Por que noticiar um e não outro caso?

No fim, terminei o final de semana imersa; mais perguntas que respostas. Me lembrei de um artigo sobre  uma VP da Sony que, há alguns anos, decidiu usar a mesma roupa para trabalhar, todos os dias. A ideia é diminuir a quantidade de decisões que tomamos e, assim, decidir com maior facilidade. Mais tarde, adormeci procurando referências de “work uniform” no Pinterest, ainda me questionando: dá para reduzir o número de escolhas e de informações? Mas isso, talvez, já seja assunto para outro texto…

Ana Sasso

Editora do We Love. Pensa alto, fala sozinha e rabisca em papéis pelo caminho. Quando não está escrevendo, está pensando no que vai escrever. É jornalista, mas vive entre contar e inventar histórias aqui.
Ana Sasso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *