Poesia concreta • We Love

Poesia concreta

São Paulo concreta, Minhocão | Crédito: Divulgação Movimento Minhocão

Não faço dos versos rima formatada

Falta talento pra fala arranjada

Decido bancar a poeta

Não sei fazer poesia concreta

Queria falar da flor e do sol

Mas aqui, por agora, só poeira e farol

Me concentro e escuto o sons que enlouquecem

Da cidade aflita que só desverdece

Busquei romantismo, encontrei pó de asfalto

O passarinho, assustado, me olha do alto

Observo atenta, pra encontrar a poesia

Mas não é nada charmoso, poetizar ciclovia

De repente a buzina e o som do motor

“Anda logo, querida, que o carro parou”.

Isabela

Isabela

Escreve sobre futuro, história, curiosidade, gente e faça-você-mesmo. Vegetariana, de esquerda e feminista, mas incapaz de falar sobre esses assuntos de maneira arrazoada, por isso, não a provoque. Nasceu na roça, mora na cidade, guarda as duas metades e tem memórias de coisas que nunca viveu.
Isabela

Últimos posts por Isabela (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *