Procuram humanos culpados • We Love

Procuram humanos culpados

procuram humanos culpados

Já se passou um ano.

As pessoas esqueceram do que aconteceu, apagaram a tragédia de suas memórias, e o que sobrou foi só preconceito, que durante uma semana, duas, um mês, tinha sido esquecido em “solidariedade” aos mortos.

Não tem que ser assim.

Abri meu Facebook ontem, dia 12 de junho, e vi que tinha uma lembrança interessante sobre o fato. O Facebook nos faz lembrar de coisas que a gente às vezes deixa passar com as correrias do dia a dia.

Quando saiu a notícia da tragédia, todo mundo correu pra dizer que era coisa do Estado Islâmico, que não era porque ele era homofóbico, era porque ele era muçulmano, e todos dessa “maldita” raça tem que morrer, porque não acreditam no mesmo Deus, não acreditam no amor que a gente prega, são diferentes e não se encaixam no padrão.

Mas para essas pessoas que falaram esse tipo de barbárie, eu tenho uma notícia…

A culpa não é de Deus.

Nunca foi, nunca será.

Realmente, os grupos extremistas usam da imagem de Alah para fins terroristas, mas não é só isso. Estudar um pouco de história não faria mal algum, pois falta um pouco de inteligência, um pouco de maturidade nas pessoas, para argumentar sobre isso.

O rapaz que cometeu tal crime, em 13 de junho de 2016, não era só muçulmano. Ele era além disso.

Machista, homofóbico, agressivo com sua própria mulher.

Não é a raça que vai determinar o que você é, é VOCÊ que vai se definir, com seu caráter (ou falta dele).

Que Deus, Universo, Alah, Oxalá, ou qualquer divindade das quais acreditem, tenha piedade pela ignorância dos tolos, tanto dos que falam sem pensar, quanto dos que agem sem pensar.

Como já disse Criolo, a vida não é o rancho da pamonha; ela é dura, difícil. E pensar que 49 morreram por conta de um, é de cortar o coração de qualquer ser humano de verdade.

Que a paz seja eterna e continue sendo colorida.

Gabriela Reis

Gabriela Reis

Gabriela Reis tem 20 anos de idade, cursa jornalismo e é apaixonada pela escrita desde novinha. Autora do blog disenchanted, costuma misturar poesias, contos e desabafos emocionais sobre sua vida cotidiana. Acredita que a jornada da vida seja mais bonita se for acompanhada, e crê sempre no lado bom das pessoas, mesmo que isso custe sua paz de espírito.
Gabriela Reis

Últimos posts por Gabriela Reis (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *