Ser caçula • We Love

Ser caçula

Ser caçula | Crédito: Roberta Romano

Sou a mais nova de três irmãs, MULHERES, e de personalidades um tanto… Fortes!!  E eu sou a obra prima, já que a produção parou no instante em que se atingiu a perfeição. Modesta, eu?! Só um pouquinho. Com as irmãs que eu tenho – versões personificadas da Wikipedia e do Google –, se eu não tiver um pingo de falsa-modéstia, viro fumaça!

Com frequência, eu ouço as pessoas dizerem que ser o caçula da família é tudo o que eu poderia pedir a Deus. É o xodó, o mais protegido, poupado dos problemas e discussões; afinal é tão frágil quanto uma boneca de porcelana. Dizem que o caçula recebe tudo de mão beijada, uma vez que o(s) irmão(s) mais velho(s) já quebraram todos os paradigmas e tabus antes de chegar a sua vez.

Pois bem, essa história tem três lados: o meu (do caçula!), o seu (mais velho ou do meio) e o verdadeiro (esse a gente nunca vai saber).

Ser caçula tem seus desafios. Da mesma forma que quem chegou primeiro teve que dar a cara pra bater, espera-se que você não cometa os mesmos erros. E daí que minha história e minhas escolhas são diferentes? Ainda que o erro não tenha sido meu, não me é permitido cometê-lo pela segunda vez.

Se minha infância e adolescência foram mais fáceis por ser a caçula? Sob alguns aspectos, sim. Aos 13 anos, o careca de gorro e agasalho azul royal – vulgo meu pai – por diversas vezes foi substituído pela minha irmã mais velha pra me levar ou buscar na balada. Antes mesmo dos 18, frequentava boates munida da cópia do RG da irmã do meio. E esse é um clássico: quando uma de nós aprontava, minha mãe nem sequer cogitava que a bebê da casa pudesse ser “a artista” da vez.

Contudo, a maior desvantagem de ser caçula é perceber que vários entes queridos já se foram e que os irmãos e primos puderam curtir os avós por mais tempo que você. A única certeza que eu tenho é que, como a eterna mais nova da família, daria tudo para não ver as pessoas que mais amo irem embora antes de mim…

Roberta Romano

Roberta Romano

Mãe da shih tzu Guadalupe, metida à enóloga e membro honorário da "Revolta dos Coxinhas". Como cozinheira, é uma excelente administradora de empresas, que consegue, inclusive, cuidar da bagunça do We Love.
Roberta Romano

Últimos posts por Roberta Romano (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *