Vida longa às goiabeiras • We Love

Vida longa às goiabeiras

vida-longa-às-goiabeiras

Semana passada estava no trânsito, voltando para casa, quando algo no percurso me chamou a atenção. Eram goiabeiras! Quase no concreto da calçada, elas nasceram: assim mesmo, por vontade própria, sem precisar de mudas, transplantes, enxertos, podas… Nem uma regadinha! E não é que elas tinham frutos também? E aposto que sua casca, de um amarelo hepático, escondia segredos. Daqueles enormes, rosados e carnudos, revelados àqueles que não temem arriscar já na primeira mordida.

Nos próximos dias, reparei em todas as outras plantas que nascem pelas paredes dos viadutos, nas bordas das marginais, debaixo da sombra dos postes, definitivamente indesejadas, me provando que a lei da natureza nem sempre é dona da verdade.
Assim, aprendi a origem da palavra “coragem”, que vem da raiz latina “cor” e significa “coração”. Cultivar crenças e seguir com amor é permitir que o futuro seja. É enfrentar riscos. É se infiltrar pelas rachaduras de uma matéria inorgânica e encontrar seiva. É sobreviver.

Vida longa às goiabeiras que nascem do concreto. Que crescem fortes mesmo desnutridas. Que suportam o desrespeito do pedestre, que desapega sujeiras, bitucas e papeis sobre sua raiz. Que assiste paciente ao espetáculo das formigas passeadeiras. Que empresta seus galhos aos pássaros. Que engendra seus frutos com obstinação, vibra em segredos coloridos e, no final, os compartilha.

Vida longa às goiabeiras que nos servem de exemplo para um 2016 mais corajoso!

Camilla Cristini

Camilla Cristini

Tem o costume de se refugiar nos mais loucos mundos. Usa a escrita como atalho. Carrega influências lunáticas e estrelares. Acredita que a gastronomia é uma obra de arte inventada por um deus sem parcimônia.
Camilla Cristini

Últimos posts por Camilla Cristini (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *